7. abr, 2020

Lesão de Menisco

A pedido de um componente do grupo de condropatia no face,eu solicitei  à fisioterapeuta Paula Lessa um texto sobre o assunto: 

 

Olá, vamos para mais um assunto que gera muitas dúvidas curiosidades a Lesão Meniscal 

  Comecemos  esclarecendo primeiro, o que é menisco?

Menisco é uma cartilagem que fica no joelho, apoiado na tíbia (osso da perna), e possui como principal função o Amortecimento de cargas (transmissão de cargas, redirecionando a mesma para todo apoio e não somente sobrecarregando uma região), e funções secundárias como estabilidade articular (auxiliando no encaixe articular do fêmur e tíbia, ossos da coxa e perna, respectivamente, aumentando a área de contato entre os dois), lubrificação articular (contribui para lubrificação da cartilagem articular normal, distribuindo com liquido sinovial, este que mantem a articulação lubrificada para melhor harmonia na movimentação do joelho).

 

Quem é mais susceptível a este tipo de lesão?

De acordo com estatísticas entre indivíduos dos sexo masculino e feminino ocorrem de 2,5 a 4:1, respectivamente, lesões agudas (sintomas precoces, como inflamação, edema ou hematoma local e dor, que juntos irão limitar a capacidade funcional, movimento, do local lesionado); Ocorrem geralmente na faixa etária de 20 a 30 anos nos homens e lesões prevalentes em indivíduos com idade superior a 40 anos, isso se tratando de não praticantes de atividade física intensa, praticantes e atletas, aumentamos as chances desse tipo de lesão, em determinados tipos de esporte e quando há alterações de equilíbrio de força, nas estruturas em torno do joelho e  repetitividade de movimentos, susceptíveis a essa lesão (quando o joelho em posição flexionada ou parcialmente flexionada é submetido a uma força rotacional de grande magnitude, fazendo com que o menisco seja comprimido entre o fêmur e a tíbia ou na flexão total e brusca do joelho)

A lesão meniscal é uma patologia já estudada e tratada a anos, no setor ortopédico, porem as formas e intervenções foram se modificando ao longo dos anos, conforme a necessidade ou observação das recuperações e déficits após os tratamentos realizados. Até o inicio do século XX, o tratamento realizado para lesões meniscais era somente cirúrgico com uma Meniscectomia total (retirada de todo menisco), porem ao longo dos anos constatou-se por alguns estudiosos e especialistas do ramo, como Annandale e King, que a retirada total do menisco interferia muito na biomecânica articular, ou seja no funcionamento da articulação, notou-se que ocorriam alterações degenerativas após retirada total dos meniscos, então viu-se a necessidade da preservação dos mesmo, realizando reparos ou meniscectomias parciais.  Assim o tratamento passou a ser visto de outra forma.

 

O diagnostico da lesão meniscal se dá através da de avaliações clinicas dos sintomas (os mais comuns são a dor, a rigidez, o inchaço, uma sensação de perda de controlo do joelho e uma redução da amplitude dos movimentos), com uma anamnese detalhada e testes físicos para tal, testes estes com comprovação cientifica para diagnósticos, por último para total confirmação, se necessários, exames de imagem como uma Ressonância magnética, para fechamento do diagnostico, e elaboração do tratamento assertivo da mesma.

O tratamento pode ser cirúrgico ou não, tudo depende da avaliação completa realizada e o parecer do profissional sobre o melhor método para recuperação. Para o tipo de tratamento escolhido, tem que ser levar em consideração tipo e gravidade da lesão, intensidade dos sintomas e atividades de vida diária e atividades direcionadas, como exercícios e esporte, realizadas pelo paciente. O tratamento não cirúrgico ocorre na maioria dos casos, pois nota-se uma grande porcentagem de recuperação com tratamento conservador, através de exercícios, descargas de peso parciais e totais, evolução do uso de cargas e mobilidade, proporcionando completa ausência dos sintomas. Com o não sucesso do tratamento conservador, o paciente ainda apresentando sintomas significativos e persistência dos mesmos, o tratamento cirúrgico aparece como opção para cessar os sintomas, ou de acordo com a avaliação do especialista em questão esta será a primeira opção em alguns casos.

Contudo nota-se que a articulação do joelho é importantíssima para nossas atividades sejam corriqueiras ou especializadas, que o menisco é uma estrutura de extremo equilíbrio para o bom funcionamento da articulação do joelho, que as técnicas antigas de Meniscectomia para os tempos antigos eram a melhor saída, mais hoje conseguimos enxergar que o quanto menos esse menisco for retirado e mais reparado, as recuperações serão de mais sucesso e com menor prejuízo de sua função completa.

Lembrando a todos que é de suma importância que este processo todo, seja acompanhado por profissionais capacitados e comprometidos com a exata melhora.

Espero que tenham gostado, fiquem com Deus, e nos veremos logo logo!

 

Paula Lessa

Fisioterapeuta

CREFITO3 100596-F