15. abr, 2015

Resposta do comentário

Oi Wanessa!

Agradeço o elogio sempre,você é sempre uma grande amiga.

Fico feliz em saber o quanto você gosta do meu trabalho,qto ao livro vou comentar um pouco.

Ao contrário do escritor que sempre foi cético quanto à religião,sempre acreditei em Deus e sempre pensei que a minha fé "remove montanhas".

Na minha forma de ver a vida não precisei passar por algo tão "violento" como entrar em estado de coma para descobrir coisas lindas sobre ela,mas por outro lado eu e o cientista autor do livro,acabamos descobrindo a mesma coisa,embora de outra forma ou com outra visão não sei.

Encontramos o amor incondicional.

Eu através da lesão descobri o que é a soliedariedade de alguém que muito fez sem me pedir nada em troca e que modificou minha vida por completo e ele encontrou o amor dele através do amor que tem por seus filhos e seus animais de estimação.

Este foi o ponto principal do livro que nos uniu...

Tem outro trecho que li no hospital enquanto esperava meu horário de consulta do meu check up mas não estou achando neste momento,mas também não vou contar tudo do livro em razão que na hora que vocês meus leitores forem ler vai ficar sem sentido.

Leiam o livro como eu digo,é uma experiência única e fantástica,uma imensurável lição de vida e para mim mais uma vez lembrou-me a história de São Tomé,ver pra crer....

Deus "mostrou" que existe para alguém que Nele não acreditava...

Super beijo e leia o livro...vc vai amar!